DOS MEUS SONHOS

Brinco com a Nátaly que ela é a mulher dos meus sonhos, mas nunca foi.


Nátaly não corresponde às minhas expectativas, sequer tenta, pois sabe que jamais conseguiria.


Há um abismo entre quem eu (involuntariamente) queria que ela fosse e quem ela realmente é. Felizmente ela se ama e se respeita o suficiente para não tentar me agradar ou se adaptar levianamente aos meus delírios, pois de outro modo nosso relacionamento estaria fadado ao fracasso.


Ná não precisa ser a pessoa dos meus sonhos ou a garota perfeita, pois eu a amo e aprendi amá-la por quem ela é. Quanto mais eu a conheço, menos ela se parece com o que eu gostaria e, numa deliciosa contradição, mais eu me apaixono por ela.

Me recuso a amar uma idealização e extensão de mim, pois desse modo estaria perdendo o melhor desse relacionamento: ela.