DO PLÁSTICO

Construo meu eu a partir do plástico.
São próteses de silicone, barba a 5% e alguns ésteres de hormônio.
⠀⠀⠀⠀⠀
Eles apontam para as superficialidades que utilizo como forma de me invalidar. Apelam para uma biologia ideológica. Recorrem ao típico mito originário.
Gostam da ficção realista.
Se acham naturais.
⠀⠀⠀⠀⠀
Pensam que me ofendem. ⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀
Uso do mesmo anabolizante que o maromba, que constrói sua masculinidade em forma de músculo. Tão frágil e artificial quanto a minha. Facilmente reproduzível. Nada de inerente. Nada que o torne especial.
⠀⠀⠀⠀⠀
O cisgênero também recorre aos adereços externos e supérfluos. Os hormônios foram feitos para eles, para retardar seu declínio biológico, para sanar suas disfunções. ⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀
Quantos nanogramas por decilitros de hormônios são o suficiente para sustentar a imagem do homem?
Quantas miligramas de viagra são usadas para preservar a masculinidade?
Quantos objetos generificados são necessários para manter o cistema de gêneros? ⠀⠀⠀⠀⠀
. ⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Pensam que me ofendem. Tolos.
Sou tão fictício e artificial quanto um cis.

Criado por Jonas Maria  © 2021